O desafio

Os resíduos que constituem risco biológico podem expor as pessoas não envolvidas diretamente com a preparação ou administração a substâncias químicas perigosas.

Todos os materiais que entrem em contato com medicamentos perigosos e resíduos dos doentes, tais como frascos, conjuntos intravenosos, seringas, luvas, roupas, urinóis e roupas de cama devem ser manuseados como perigosos. De fato, foi constatado que os auxiliares que limpam a área de infusão e removem resíduos apresentam o medicamento na urina, o que documenta a captação a partir de uma área contaminada.1 Todos os resíduos decorrentes da preparação e administração de medicamentos perigosos devem ser separados e descartados de acordo com a política hospitalar e os regulamentos estaduais e nacionais aplicáveis.2,3,4  A redução destes resíduos diminui significativamente a possibilidade de exposição perigosa a medicamentos oncológicos perigosos, além de diminuir também os custos de remoção de resíduos perigosos estimados em US$ 0,40/libra com base no curso Baxa Corporation Star Center® sobre manuseio e preparação segura de medicamentos perigosos. 

O custo de implementação de um CSTD na prática clínica é um fator decisivo no processo de aquisição.

À medida que as pressões econômicas aumentam, as decisões de aquisição já não podem se basear apenas em estudos sobre a eficácia clínica que não avaliam a rentabilidade. É fundamental a avaliação dos custos de implementação ao comparar os CSTDs à venda no mercado.

A nossa solução

O dispositivo de transferência de sistema fechado ChemoClave® pode ajudar as instalações a reduzirem significativamente os resíduos biológicos perigosos.

Como resultado da simplicidade do próprio sistema, o CSTD ChemoClave gera a segunda menor quantidade de resíduos biológicos perigosos entre todos os CSTDs comercialmente disponíveis. Um estudo prospectivo das implicações de resíduos dos CSTDs disponíveis demonstrou que o CSTD do ChemoClave permitiu que centros oncológicos de  grande capacidade reduzissem os resíduos biológicos perigosos em quase 1.043 kg por ano. Os cálculos foram baseados na quantidade de resíduos gerados por cada um dos  sistemas quando utilizados em um hospital/instalação oncológica de grande capacidade que preparava 1.276 infusões mensais ao longo de doze meses, totalizando anualmente 15.312 infusões.5
 

total-waste.png

 

 

O dispositivo de transferência de sistema fechado ChemoClave custa menos para implementar do que qualquer outro CSTD comercialmente disponível.

Um estudo recente analisou os custos associados à implementação de  diversos sistemas CSTD ao longo de todo o processo de distribuição clínica, inclusive a preparação, o transporte, a administração e a eliminação de medicamentos perigosos. A economia de custo real foi estimada como correspondendo a até US$ 307.000 por ano com o sistema ChemoClave para um único centro oncológico de volume elevado em comparação com outros sistemas CSTD.5 Um outro estudo que analisou os custos dos CSTDs disponíveis calculou que o sistema ChemoClave poderia assegurar a uma instalação uma economia entre US$ 57,50 e US$ 112,50 para cada 100 sacos de quimioterapia administrados.
 

Total -cost

Referências

* Calculations are based on a single, high-volume oncology facility/hospital preparing 100 mixes a day over 365 working days, for a total of 36,500 mixes annually. Texium/SmartSite is marketed as a closed system, not a CSTD.

† Component cost may vary slightly due to manufacturing price changes, contract pricing, and/or volume discount pricing. Texium/SmartSite is marketed as a closed system, not a CSTD.

  1. Eisenberg et al. Journal of Infusion Nursing: January 2009 - Volume 32 - Issue 1 - p 23-32.
  2. National Institute for Occupational Safety and Health. NIOSH Alert: preventing occupational exposures to antineoplastic and other hazardous drugs in the health care setting. Centers for Disease Control and Prevention, National Institute for Occupation Safety and Health, DHHS (NIOSH) Publication No. 2004-165. Washington, DC: U.S. Department of Health and Human Services.
  3. Smith CA. Managing pharmaceutical waste: what pharmacists should know. J Pharm Soc WI 2002; November/December: 17-22.
  4. International Society of Oncology Pharmacy Practicioners Standards Committee. ISOPP standards of practice. Section 2 - Transport of cytotoxics. J Oncol Pharm Pract. 2007; 13 Suppl:1-81.
  5. Barnachea L, Lee T, Gitler J, Saria M. Presented at the California Society of Health System Pharmacists (CSHP), November 4, 2011
  6. Saria M et al. The Cost of Safety: Closed System Transfer Devices, Abstract Accepted at the International Forum on Quality & Safety in Healthcare, April 2011, Amsterdam NL.